Já não é mais novidade que sistemas de precificação dinâmica – e inteligente – têm roubado a cena em muitos segmentos do mercado e da indústria, começando pelo e-commerce (que já nasceu digital). Podemos afirmar com elevado grau de confiança, assim como é discutido pela Forbes, que no futuro, as estratégias de precificação vão incorporar cada vez mais o poder computacional de automação e inteligência, possibilitando assim a flutuação adequada de preços de acordo com as condições de mercado.

O conceito por trás de todo sistema de smart-pricing é um dos mais elementares dentro das ciências econômicas: 

“quando oferta e demanda estão em equilíbrio é quando se obtém a maior eficiência”. 

Ou seja, falar em tornar o preço dinâmico de acordo com as condições de mercado é falar em buscar a equivalência entre oferta e demanda e, por consequência, gerar a eficiência que se traduz em maximização de lucros. 

Segundo Louis da Forbes, em tempos difíceis, como na pandemia do COVID-19, ser eficiente significa sobreviver e minimizar os impactos negativos sobre os negócios, e é por isso que a precificação dinâmica ganha ainda mais importância.

Na Aquarela, desenvolvemos uma metodologia ágil de projetos de analyticsa DCIM -, que garante eficiência e rapidez aos nossos clientes, inclusive em projetos de precificação dinâmica. 

Nas seções a seguir, mostraremos como conseguimos ter implementações bem-sucedidas de precificação dinâmica.

Desenhando uma estratégia de precificação

Sem dúvida alguma, a base para o sucesso de um projeto de precificação dinâmica é o completo e correto mapeamento dos processos da estratégia de precificação adotada pela empresa, começando na produção, passando pela distribuição e terminando na venda final, considerando também as características de cada produto ou serviço a ser precificado. Cada etapa da cadeia produtiva terá seu peso sobre o preço final.

Com a total compreensão desses processos, é aberta a possibilidade de automatizá-los. O preço pode variar conforme a hora, dia da semana ou qualquer outra unidade de tempo. Ou então, de acordo com a região de comercialização, com a quantidade de estoque ou com as condições de concorrência e mercado. 

Todos os fatores de custo e oportunidade podem ser considerados em um sistema automatizado de precificação dinâmica, singularmente ou em conjunto, desde que os processos estejam bem definidos e mapeados, de modo que tornem evidentes as regras de negócio.

E se não houver uma estratégia consolidada de precificação ou os processos não estão bem definidos? Nestes casos, a equipe de analytics contará com a ajuda dos especialistas de pricing e revenue management para estudar o estado da arte das estratégias de precificação do setor em questão, assim podendo, em conjunto, estabelecerem as estratégias mais adequadas para a empresa e/ou melhor estruturar os processos já existentes.

Dados

Atualmente, já não é mais possível discordar da frase “data is the new oil!”. A coleta de dados de preços, fechamento de contratos ou qualquer outro tipo de efetivação de vendas é de extrema importância para os times de analytics.

O que chamamos de maturidade de dados não é somente a coleta, mas também um pipeline tecnológico que garanta o armazenamento adequado  sem perda de informação. Ainda mais maturidade a empresa tem se já consegue extrair as próprias análises dos dados. Quanto maior a maturidade, mais rapidamente e de forma mais eficiente é possível extrair a inteligência, como mostrado na figura a seguir:

No contexto de precificação dinâmica, a inteligência pode ser entendida como a extração de regras e insights que não são explícitos para as equipes de pricing. Pela nossa experiência, esse olhar do cientista de dados é extremamente agregativo na construção destes sistemas dinâmicos de precificação.

Caso não exista uma maturidade de dados suficiente para viabilizar o projeto, como proceder?

Para este problema, podemos oferecer um projeto estruturante, que tem como objetivo ajudar empresas a construírem uma sólida cultura de dados. Este curto projeto é dividido em duas partes:

  • na criação do pipeline de coleta e armazenamento de dados; e
  • na definição da ontologia de preços e harmonização de indicadores.

Esta última, se encarrega de garantir que o dado coletado e armazenado viabilize a extração de informação, conhecimento, insights e, por fim, a inteligência, ou seja, garante que o dado tenha, de fato, valor para os planos futuros da empresa. Um pouco deste processo está descrito neste artigo – Dos dados à inovação.

Tecnologia

De nada adianta todo o trabalho dos tópicos anteriores ser realizado se não há tecnologia já existente na empresa que consiga dar conta de atualizar os preços na periodicidade desejada. Por exemplo, de nada adianta existir uma ferramenta que consegue tornar os preços dinâmicos em tempo real se as alterações de preço são feitas manualmente.

Quando a dinamicidade acontece em tempo real, é necessário maior robustez no stack tecnológico das empresas envolvidas. Por isso, o levantamento dos requisitos de sistemas e integrações deve ser feito, para que exista uma estimativa de tempo de implementação, com um cronograma coerente antes do início do projeto.

Precificação dinâmica e inteligente

Neste ponto, já temos um sistema de precificação dinâmica quase completo: temos um sistema operacional que consegue provocar variações de preços de acordo com as condições que foram previamente estabelecidas por regras de negócios, sejam elas extraídas dos especialistas de pricing ou de insights dos dados. O que falta?

O que pode passar despercebido, é que a dinamicidade dos preços pode ficar comprometida, travada, pelas próprias regras de negócio que embasaram o sistema. O trade-off é claro: elevado grau de controle versus dinamicidade dos preços. Além disso, as regras normalmente não conseguem ser suficientemente genéricas a ponto de conseguirem definir o preço ideal para todas as situações possíveis.

Neste cenário é que entram as aplicações de Inteligência Artificial e Machine Learning, que aparecem como o elemento capaz de aprender, com extensas bases de dados, os padrões mais bem sucedidos do passado, e assim conseguir definir o preço ideal para cada situação. Ou então, com uma abordagem de modelagem diferente e um tanto quanto mais complexa, é possível fazer com que a inteligência artificial consiga definir preços a partir de outros fatores, sem que os padrões do passado sejam a base principal.

A vantagem de um sistema de precificação dinâmica orientado por uma inteligência artificial é que ele consegue ser mais versátil. No entanto, isso implica que as equipes de pricing abram mão do controle sobre a definição de preço, o que pode ser algo não tão desejável.

A solução para o impasse pode ser um sistema híbrido. Um sistema de precificação que tenha elementos gerados por uma inteligência artificial e complementados pelo conhecimento de negócio de especialistas, é o que chamamos de inteligência expandida. Do ponto de vista gerencial, essa é uma opção bastante atrativa, pois consegue equilibrar certa versatilidade e entregar um certo grau de controle no processo de definição de preços.

Avaliação de resultados

Por fim, mas não menos importante, é necessária uma metodologia consolidada que consiga provar a eficácia de um sistema dinâmico de preços versus o sistema tradicional. Para tanto, é bastante comum e eficiente utilizar a metodologia de diferenças das diferenças, que admite um grupo de controle (tradicional) e um grupo de testes (dinâmico) e permite comprovar, estatisticamente, a eficácia ou não da nova abordagem de precificação.

Case

Como exemplo, trouxemos um case utilizando a plataforma Vortx no segmento da educação privada, onde existia um complexo sistema de precificação não automatizado, com extensas regras de negócio para definir a mensalidade/bolsa de estudo ideal para cada aluno.

Com a estruturação, mapeamos os processos e adicionamos fatores como a distância do aluno até a escola, a renda do responsável, a escola que o aluno estudou anteriormente, entre outros 200 variáveis disponíveis no dataset enriquecido da Aquarela. Também adicionamos tratamentos automatizados de outliers (o que são outliers?) para não deixar passar situações que fogem da normalidade.

Partindo disso, todo o processo foi estudado e revisado por cientistas de dados em conjunto com uma equipe de pricing / revenue, removendo e/ou reformulando as regras de precificação existentes. Como resultado, fomos capazes de:

  • Propor insights e regras que agregaram ainda mais robustez ao processo existente;
  • Gerar um aumento de 5% no faturamento total de negociações; e
  • Criar uma maior transparência no processo decisório da alocação de bolsas de estudos.

Utilizando modelagem estatística avançada, fomos capazes de propor indicadores, utilizados como base para a precificação da mensalidade do aluno, a partir de machine learning. Assim, este sistema híbrido foi concluído e colocado em operação dentro de 4 meses.

Conclusão

Os métodos e tecnologias para precificação dinâmica estão chegando ao mercado, incluíndo setores mais tradicionais. Vimos nos primeiros cinco tópicos as etapas que consideramos fundamentais em projetos de precificação dinâmica.

A decisão de digitalizar e dinamizar a escolha dos preços dos produtos/serviços, sabemos, não é simples. Anteriormente escrevemos alguns aspectos importantes neste artigo Escolhendo fornecedores de inteligência artificial e data analytics.

Com nossa metodologia ágil e seguindo o que foi colocado acima, conseguimos entregar uma solução de precificação dinâmica rápida e eficaz em uma área tradicional como a da educação.