O setor de alimentos e a segurança alimentar são uma preocupação global e o Brasil é um dos principais responsáveis pela demanda mundial de alimentos (Estadão). Nesse sentido, quais os principais desafios relacionados à gestão de dados para a otimização da eficiência operacional do Brasil no setor alimentício/agronegócio que hoje representa 21% do PIB do Brasil?

Este artigo aborda o tema com o viés da experiência da Aquarela em projetos de Advanced Analytics e de Inteligência Artificial realizados em grandes operações no Brasil.  O risco da falta de informações é tão relevante como o seu excesso e a falta de análise, podendo impactar a eficiência da cadeia logística do setor como um todo. 

Abaixo, elaboramos alguns destes principais riscos. 

Caracterização do setor de alimentos

O setor de alimentos é bastante variado devido à grande extensão da cadeia produtiva, que vai desde os insumos agrícolas, a industrialização, logística do transporte até a comercialização nos mercados consumidores e por fim o consumidor final. 

Como características fundamentais, o setor de alimentos está diretamente ligado a fatores que podem ter grande variabilidade e pouco controle, tais como: 

  • Clima (temperatura, volume de água, luminosidade e outros);
  • Fatores econômicos, como flutuações de moeda;
  • Infraestrutura;
  • Demanda do mercado interno/externo.

Além desses fatores, abaixo elencamos alguns relacionados à gestão dos dados. Também mostramos como eles, se bem organizados, podem ajudar a mitigar os efeitos das variáveis não controláveis da cadeia de suprimentos de alimentos.

01 – Incompletude das informações

A cadeia de suprimentos é bastante grande. Isso torna os dados complexos e de difícil interpretação devido às diferentes fases de cada processo, cultura e região. Além disso, faz com que muitas decisões importantes de planejamento ocorram com bastante limitação informacional e alto risco. Em outras palavras, as decisões são tomadas sem uma visão do cenário completo da cadeia, seguindo, em grande parte, a intuição dos gestores. 

A falta de informação de qualidade é um grande risco. Se hoje faltam dados, imaginem como era o cenário há 10 ou 20 anos. 

Nos últimos anos, o campo, a indústria e o varejo têm mostrado grandes avanços em seus processos de informatização com diversas soluções de rastreabilidade. Com a evolução das tecnologias da indústria 4.0 (IOT e o 5G) nos próximos anos, é provável que o mercado de alimentos, desde o setor agrícola e industrial até o comercial, detenham informações mais completas para tomada de decisão do que as que estão estão disponíveis hoje. 

02 – Dados de várias fontes

Se os dados estão se tornando cada vez mais presentes com o desenvolvimento da informatização e comunicação, então o próximo problema é tentar analisar dados em fontes múltiplas e desconexas. 

Diferentes dados são frequentemente armazenados em diferentes sistemas, levando assim a análises incompletas ou imprecisas. Combinar dados manualmente para formar dataset (o que são datasets?) de análise é um trabalho bastante pesado e demorado e pode limitar as percepções da realidade das operações. 

O que se busca é a construção de Data Lakes aderentes ao tipo de gestão para democratizar o acesso aos dados por profissionais do mercado, otimizando desse modo suas atividades com soluções de analytics cada vez mais poderosas. Isso não apenas libera tempo gasto no acesso a fontes múltiplas, como também permite comparações cruzadas e garante que os dados sejam completos.

03 – Dados de baixa qualidade

Ter dados incorretos pode ser tão ou mais prejudicial do que não tê-los. Nada é mais prejudicial à análise de dados do que dados imprecisos, principalmente se a ideia é utilizar as práticas de ciência de dados e machine learning. Sem uma boa entrada, a saída não será confiável. 

Uma das principais causas de dados imprecisos são os erros manuais cometidos durante a entrada de dados, principalmente quando são informações coletadas de maneira manual. Outro problema são os dados assimétricos: quando as informações de um sistema não refletem as alterações feitas em outro sistema e assim o deixa desatualizado.

Os projetos de planejamento estratégico de analytics buscam mitigar e/ou eliminar esses problemas. Isso acontece a partir de processos sistemáticos de dicionarização de dados, levantamento de processos, funções, assim por diante. Abaixo, deixamos alguns artigos relacionados:

04 – Falta de talentos em dados

Algumas organizações e empresas, de um modo geral, não conseguem atingir melhores índices de eficiência nas operações, pois sofrem com a falta de talento na área de análise de dados. Em outras palavras, mesmo que a empresa detenha tecnologias e dados coerentes, ainda sim a mão de obra para executar as análises e os planos de ações conta muito no final do dia. 

Esse desafio pode ser mitigado de três maneiras: 

  • Desenvolver um stack tecnológico analítico sempre atualizado e aderente ao negócio e com materiais de capacitação atualizados.
  • Adicionar as competências analíticas no processo de contratação. Além disso, investir na capacitação constante da equipe sobre as novas tecnologias de dados relacionadas ao stack tecnológico da operação. 
  • Utilizar a terceirização de analytics para aceleração do processo. Neste artigo, por exemplo, elencamos os principais aspectos a serem considerados para definir a escolha de um bom fornecedor. 

05 – Personalização de valores e as características de produto no setor de alimentos

Embora, segundo a Embrapa, cerca de 75% de todo setor alimentício mundial esteja baseado em apenas 12 tipos de plantas e 5 tipos de animais, são milhares de produtos diferentes, comercializados de múltiplas maneiras, preços e prazos no mercado consumidor final.

Apenas como exemplo, na área de proteína animal, o processo de comercialização da carne de gado exige investimentos, infraestrutura, prazos e processos bastante diferentes do que seria para a produção da carne suína ou mesmo a de frango. 

Já que os processos são diferentes, os dados gerados pela cadeia de produção também se tornam distintos, exigindo personalizações nos sistemas de informação e bancos de dados. Como consequência, há alterações em modelos de:

A recomendação é a parametrização dos sistemas com base em classificações mais comuns no mercado e foco nos produtos mais importantes do ponto de vista estratégico (margem de contribuição, volume ou preço de vendas). 

5 desafios reais de dados no setor de alimentos – Considerações finais

Neste artigo, fizemos um apanhado de alguns pontos relevantes sobre os desafios reais de dados na área de alimentos, setor que o Brasil desponta como um dos principais atores globais. 

Trata-se de uma área complexa com diversos fatores de risco e grandes oportunidades de otimização com o uso cada vez mais intensivo de dados. Anteriormente, escrevemos um artigo relacionado às estratégias de dados para a comercialização de energia e que em partes tem os mesmos desafios ligados à tomada de decisão no setor alimentício. 

Nós, na Aquarela Analytics, trabalhamos constantemente com estes desafios de tornar o complexo algo simples e com mitigação de riscos. Por isso, se ficar com dúvidas, entre em contato conosco! 

Quem é a Aquarela Analytics?

A Aquarela Analytics é pioneira e referência nacional na aplicação de Inteligência Artificial na indústria e em grandes empresas. Por meio da plataforma Vortx e da metodolgia DCIM (Download e-book gratuito), atende clientes importantes, como: Embraer (aeroespacial), Scania e Grupo Randon (automotivo), SolarBR Coca-Cola (alimentício), Hospital das Clínicas (saúde), NTS-Brasil (óleo e gás), Votorantim (energia), dentre outros. Fique atento às novas publicações diárias da Aquarela Analytics no Linkedin e assinando a nossa Newsletter mensal! 

Autor

Share via
Send this to a friend